17 março 2016

Juiz federal do DF suspende posse de Lula na Casa Civil

Governo poderá recorrer ao TRF-1 para tentar derrubar a decisão liminar.
Magistrado determinou que Dilma Rousseff seja intimada a cumprir decisão.


O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara do Distrito Federal, suspendeu nesta quinta-feira (17), por meio de uma decisão liminar (provisória), a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na chefia da Casa Civil (leia a íntegra da decisão).
A decisão foi tomada em ação popular movida por um advogado, mas cabe recurso ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).
A Advocacia Geral da União (AGU), que defende o governo na Justiça, já informou que vai recorrer ainda nesta quinta para tentar derrubar a liminar.
Lula foi empossado na pasta em umacerimônia realizada na manhã desta quintano Palácio do Planalto. Com seu ingresso no primeiro escalão, o ex-presidente volta a ter direito ao foro privilegiado, o que o tirou da alçada do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância.
O autor da ação popular alegou na peça judicial que houve uma tentativa de "burlar o princípio do juiz natural, em razão de que, até tomar posse como ministro, Lula era investigado por Moro. Ao ingressar no primeiro escalão, ele só poderá ser alvo de investigações com autorização do Supremo.
Na liminar que suspendeu a posse de Lula, o juiz determinou que a presidente Dilma Rousseff seja intimada para imediato cumprimento da decisão. Segundo Catta Preta, a posse de Lula pode representar uma intervenção indevida na atividade policial, no Ministério Público e no Judiciário.
"Em vista do risco de dano ao livre exercício do Poder Judiciário, da autuação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, defiro o pedido de liminar para sustar o ato de nomeação do sr. Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro de Estado da Casa Civil da Presidência da República, ou qualquer outro que lhe outorgue prerrogativa de foro", escreveu o magistrado no despacho.
'Harmonia entre Poderes'
Catta Preta também destacou na decisão que a situação envolvendo Lula – gravado nesta quarta-feira (16) pela Polícia Federal (PF) em uma conversa com Dilma na qual eles tratam da entrega do termo de posse na Casa Civil – é “complexa e grave”.
Ao G1, o juiz federal afirmou que tomou a decisão para preservar a “harmonia entre os Poderes, para que o país possa funcionar corretamente”.
“Juiz não é cego nem surdo para o que está acontecendo. E ontem [quarta] o país inteiro viu que existe uma clara intenção do ex-presidente da República, e talvez até da atual presidente da República, de intervir no Poder Judiciário. Isso é inadmissível, isso não pode ser permitido de forma alguma”, enfatizou.

17 fevereiro 2016

APROVAÇÕES COLÉGIO ANGLO DE RAUL SOARES - TURMA DE 2015

Vacina contra vírus da zika se mostra promissora em ratos, diz laboratório

Empresa diz que testes em humanos devem começar ainda em 2016.
Ao menos 15 empresas estão trabalhando em vacinas contra zika.


As esperanças de se desenvolver uma vacina contra o vírus da zika deram um passo adiante nesta quarta-feira (17), quando a empresa farmacêutica Inovio Pharmaceuticals disse que uma dose experimental induziu uma reação robusta e duradoura em ratos.
Atualmente, pelo menos 15 empresas e grupos acadêmicos estão empenhados na criação de vacinas contra o zika, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em função do temor crescente do público diante do vírus, que se propaga pelas Américas.
A zika, cujos sintomas incluem febre baixa e irritação cutânea, vem sendo ligado a casos de microcefalia – uma má-formação cerebral - em recém-nascidos no Brasil, embora a conexão ainda não tenha sido provada.
Não existe tratamento nem vacina comprovados contra a doença, uma prima próxima dos vírus que causam dengue, chikungunya e febre do Oeste do Nilo.
A Inovio disse em um comunicado que os ratos que receberam sua vacina desenvolveram anticorpos e mostraram reação das células-T, que desempenham um papel importante na imunização do corpo.
"A seguir, iremos testar a vacina em primatas não-humanos e iniciar a fabricação do produto clínico. Planejamos iniciar a Fase I dos testes em humanos de nossa vacina contra o zika antes do final de 2016", afirmou o executivo-chefe da Inovio, Joseph Kim.
A Fase I é o primeiro estágio de um processo de três etapas de testes de novos medicamentos e envolve o uso de um produto experimental em voluntários saudáveis.
A vacina de DNA da Inovio está sendo desenvolvida com a empresa sul-coreana GeneOne Life Sciences e com colaboradores acadêmicos. Um colaborador canadense disse à Reuters no mês passado que o teste da vacina em humanos pode começar já em agosto.
Outros projetos de vacina
Entre outras organizações com projetos de vacina contra o vírus da zika relativamente avançados está a indiana Bharat Biotech, que informou no início de fevereiro que sua vacina experimental está prestes a ser aplicada em testes pré-clínicos com animais.
Os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos também estão trabalhando em outra vacina de DNA, e a farmacêutica francesa Sanofi, que fabrica a primeira vacina contra dengue do mundo, anunciou em 2 de fevereiro que está lançando um projeto de vacina do zika.
Apesar do programa de trabalho acelerado, entretanto, a OMS estima que serão necessários pelo menos 18 meses para que qualquer vacina contra o zika esteja pronta para ser utilizada em testes clínicos de larga escala.

Explosão em Ancara deixa mortos e feridos

28 pessoas morreram e 61 ficaram feridas.
Polícia diz que explosão foi causada por veículo.


Uma forte explosão atingiu nesta quarta-feira (17) a região central da capital turca Ancara, a poucos quilometros do Parlamento da Turquia e de prédios de órgãos governamentais. A explosão provocou um grande incêndio, e uma fumaça escura podia ser vista saindo do local.

O vice-primeiro-ministro da Turquia declarou que 28 pessoas morreram na explosão e 61 ficaram feridas. Numan Kurtulmus confirmou que a explosão foi causada por um carro-bomba e tinha como alvo veículos militares que transportavam soldados armados. O primeiro balanço, divulgado pelo escritório do governador de Ancara, Mehmet Kiliçlar, era de 5 mortos e 10 feridos.

"Este ataque terrorista covarde custou a vida de 28 pessoas. Outros 61 cidadãos ficaram feridos", disse Kurtulus à imprensa, prometendo que o governo "lançará toda a luz" sobre este atentado.

Imagens de TV mostravam ambulâncias e carros de polícia no local. "Eu ouvi uma enorme explosão. Havia fumaça e um cheiro muito forte, mesmo estando a quarteirões de distância", disse uma testemunha à agência Reuters.

Kurtulmus afirmou que o ataque foi "bem plenajado". O porta-voz do partido do governo AK, Omer Celik, e o ministro da Justiça, Bekir Bozdag, disseram pelo Twitter que a explosão foi um ato de terrorismo.

Mais cedo, polícia havia indicado que a explosão foi causada por um veículo. O governador de Ancara disse que o ataque visou veículos do exército perto da praça central de Kizilay. Segundo as primeiras informações divulgadas pela TV turca NTV, a explosão teria atingido um dormitório militar.

O premiê turco, Ahmet Davutoglu, que deveria fazer uma visita oficial à Bélgica na tarde desta quarta, adiou sua viagem a Bruxelas depois da explosão.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque.

A Turquia vive um estado de alerta permanente desde o último verão no hemisfério norte, quando começou a enfrentar uma série de ataques que o governo atribuiu ao grupo jihadista Estado Islâmico. Além disso, desde o ano passado o país está imerso em um novo conflito contra os curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido na Turquia e que se rebelou há uma década contra o Estado turco.

07 janeiro 2016

Produção de veículos no Brasil cai 22,8% em 2015, diz Anfavea

Indústria automotiva do país tem a produção mais baixa desde 2006.
Saíram das fábricas instaladas no país 2.429.463 unidades


A produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus no Brasil encolheu 22,8% em 2015, em relação ao ano anterior, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (7) pela associação de fabricantes (Anfavea). No ano passado, saíram das fábricas instaladas no país 2.429.463 unidades, contra 3.146.386 em 2014.
Com o resultado ruim, a indústria automotiva do país volta a nível registrado em 2006 (2,4 milhões), afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Moan. O pico foi em 2013, com 3,71 milhões de unidades.
"A crise em 2015 não teve precedentes em termos de profundidade. As questões políticas acabaram contaminando a economia de uma forma bastante forte, diminuindo a confiança do consumidor e do empresário", disse Moan.
Empregos
No final de dezembro, as montadoras de veículos empregavam diretamente 129.776 trabalhadores, o que significa o fechamento de 10,2% dos postos, em relação aos 144.508 empregados no final de 2014. Em 2013, o setor empregava 157 mil.
Segundo Moan, cerca de 5,1 mil funcionários encerraram o ano afastados de suas funções devido a suspensão temporária dos contratos (lay-off), e outros 35,6 mil podem entrar noPlano de Proteção ao Emprego (PPE), proposto pelo governo federal.
Segmentos
A fabricação de carros, picapes, SUVs e furgões caiu menos que a média geral, que inclui caminhões e ônibus. Em 2015, foram produzidos 2.333.903 milhões de automóveis e comerciais leves - uma redução de 21,5% na comparação com os 2,97 milhões de 2014.
Já a produção de caminhões despencou 47,1%, para apenas 74.062 unidades em 2015. De acordo com a entidade, o nível de vendas voltou ao de 2003 e o de produção a 2002.
No segmento extrapesado, a queda chegou a 60%, segundo Luiz Carlos de Moraes, vice-presidente da Anfavea.
As linhas de montagem de ônibus concluíram apenas 21.498 unidades, o que representa declínio de 34,7%, ante o ano anterior.
Vendas
O ritmo das linhas de montagem acompanhou os emplacamentos de veículos no país, que tiveram queda de 26,55% em 2015. Foi o 3º ano seguido de baixa e pior resultado de vendas desde 2007.
De acordo com a Anfavea, os licenciamentos de carros novos importados caíram 32,8%, índice superior ao dos novos nacionais, que foi de 25,2%.
Exportações
Se 2015 teve um ponto positivo foi o aumento das exportações, que cresceram 24,8%. De acordo com a entidade, saíram do país 416.955 unidades de carros, caminhões e ônibus. A aposta para 2016 também é o mercado externo, a partir de novos acordos firmados com ParaguaiColômbiaUruguai.
No entanto, em valores, as exportações caíram cerca de US$ 1 bilhão, para US$ 10,49 bilhões em 2015. De acordo com Moan, a queda do valor se deve a poucos veículos de alto valor exportados, como caminhões.
Renovação da frota
Diferentemente da Fenabrave, que reúne as distribuidoras de veículos, a Anfavea não acredita em uma definição a curto prazo sobre o projeto de renovação da frota, apresentado ao governo federal. A proposta foi feita por 19 instituições em dezembro.
A Anfavea já havia entregue um plano de renovação para caminhões há cerca de 1 ano e meio, mas ainda não teve resposta do governo. "Como sabíamos que o governo faria uma análise bastante profunda, decidimos incluir os veículos leves", afirmou Moan.
"Renovação da frota é um objetivo da nossa entidade há mais de 20 anos. A idade media é muito alta, principalmente de caminhões: 250 mil têm mais de 30 anos. É um desperdício de produtividade", completou o executivo.
07/01/2016 11h24 - Atualizado em 07/01/2016 13h58

Produção de veículos no Brasil cai 22,8% em 2015, diz Anfavea

Indústria automotiva do país tem a produção mais baixa desde 2006.
Saíram das fábricas instaladas no país 2.429.463 unidades

Luciana de OliveiraDo G1, em São Paulo
Funcionário monta um carro em fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, São Paulo. (Foto: Reuters)Funcionário monta um carro em fábrica da Volks em
São Bernardo do Campo, São Paulo (Foto: Reuters)
A produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus no Brasil encolheu 22,8% em 2015, em relação ao ano anterior, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (7) pela associação de fabricantes (Anfavea). No ano passado, saíram das fábricas instaladas no país 2.429.463 unidades, contra 3.146.386 em 2014.
Com o resultado ruim, a indústria automotiva do país volta a nível registrado em 2006 (2,4 milhões), afirmou o presidente da Anfavea, Luiz Moan. O pico foi em 2013, com 3,71 milhões de unidades.
"A crise em 2015 não teve precedentes em termos de profundidade. As questões políticas acabaram contaminando a economia de uma forma bastante forte, diminuindo a confiança do consumidor e do empresário", disse Moan.
Produção de veículos no Brasil
Em milhões de unidades
2,352,42,823,053,073,383,413,43,713,142,4220052010201501234
Fonte: Anfavea
Empregos
No final de dezembro, as montadoras de veículos empregavam diretamente 129.776 trabalhadores, o que significa o fechamento de 10,2% dos postos, em relação aos 144.508 empregados no final de 2014. Em 2013, o setor empregava 157 mil.
Segundo Moan, cerca de 5,1 mil funcionários encerraram o ano afastados de suas funções devido a suspensão temporária dos contratos (lay-off), e outros 35,6 mil podem entrar noPlano de Proteção ao Emprego (PPE), proposto pelo governo federal.
Segmentos
A fabricação de carros, picapes, SUVs e furgões caiu menos que a média geral, que inclui caminhões e ônibus. Em 2015, foram produzidos 2.333.903 milhões de automóveis e comerciais leves - uma redução de 21,5% na comparação com os 2,97 milhões de 2014.
Já a produção de caminhões despencou 47,1%, para apenas 74.062 unidades em 2015. De acordo com a entidade, o nível de vendas voltou ao de 2003 e o de produção a 2002.
No segmento extrapesado, a queda chegou a 60%, segundo Luiz Carlos de Moraes, vice-presidente da Anfavea.
As linhas de montagem de ônibus concluíram apenas 21.498 unidades, o que representa declínio de 34,7%, ante o ano anterior.
Vendas
O ritmo das linhas de montagem acompanhou os emplacamentos de veículos no país, que tiveram queda de 26,55% em 2015. Foi o 3º ano seguido de baixa e pior resultado de vendas desde 2007.
De acordo com a Anfavea, os licenciamentos de carros novos importados caíram 32,8%, índice superior ao dos novos nacionais, que foi de 25,2%.
Exportações
Se 2015 teve um ponto positivo foi o aumento das exportações, que cresceram 24,8%. De acordo com a entidade, saíram do país 416.955 unidades de carros, caminhões e ônibus. A aposta para 2016 também é o mercado externo, a partir de novos acordos firmados com ParaguaiColômbiaUruguai.
No entanto, em valores, as exportações caíram cerca de US$ 1 bilhão, para US$ 10,49 bilhões em 2015. De acordo com Moan, a queda do valor se deve a poucos veículos de alto valor exportados, como caminhões.
Renovação da frota
Diferentemente da Fenabrave, que reúne as distribuidoras de veículos, a Anfavea não acredita em uma definição a curto prazo sobre o projeto de renovação da frota, apresentado ao governo federal. A proposta foi feita por 19 instituições em dezembro.
A Anfavea já havia entregue um plano de renovação para caminhões há cerca de 1 ano e meio, mas ainda não teve resposta do governo. "Como sabíamos que o governo faria uma análise bastante profunda, decidimos incluir os veículos leves", afirmou Moan.
"Renovação da frota é um objetivo da nossa entidade há mais de 20 anos. A idade media é muito alta, principalmente de caminhões: 250 mil têm mais de 30 anos. É um desperdício de produtividade", completou o executivo.
Expectativa para 2016
A Anfavea projeta um crescimento de 0,5% na produção nacional de veículos em 2016, mesmo com uma estimativa de nova queda dos licenciamentos, de 7,5%. As exportações devem aumentar 8,1%, segundo projeção da entidade.
Para chegar a este resultado, a entidade usou como base a previsão de queda de 3% do PIB e também a média diária de vendas do terceiro trimestre de 2015, que ficou em 9.425 unidades por dia. O presidente da Anfavea chamou essa média de "porão da crise", porque no 4ª trimestre a média subiu.

Petrobras e Vale voltam a cair após baterem mínima em mais de 10 anos

Tensão na China e queda do petróleo contagiam papéis das empresas.
Ibovespa em dólares também atingiu menor patamar em uma década.


turbulência nos mercados da Ásia e a queda no preço de commodities como o petróleocontagiaram as ações de duas das principais empresas da bolsa nesta quinta-feira (7). Petrobras e Vale operam em queda, após terem chegado ao menor valor em mais de uma década, informou aoG1 a provedora de informações financeiras Economatica.
Com forte peso no Ibovespa, a mineradora e a petroleira ajudaram a arrastar para baixo o principal índice de ações brasileiro. Na véspera, a bolsa recuou ao seu menor patamar desde março de 2009, aos 41.773 pontos.
Nesta quinta-feira, o Ibovespa opera em nova queda, afetado  por uma segunda suspensão nos negócios das bolsas chinesas nesta semana, após um recuo de mais de 7%. Veja a cotação
Em dólares, o Ibovespa terminou a quarta-feira no patamar mais baixo desde 26 de julho de 2005, aos 10.365 pontos, de acordo com a Economática.
A pontuação em dólares é usada como referência para os investidores estrangeiros, dividindo-se os pontos do índice em reais pela cotação do dólar ptax (taxa calculada pelo Banco Central).
O economista Einar Rivero, responsável pelo estudo da Economatica, explica que a forte alta do dólar frente ao real – a moeda norte-americana subiu quase 49% em 2015 – torna a desvalorização do Ibovespa mais aguda para os investidores estrangeiros.
Queda do petróleo afeta a Petrobras
No dia em que os preços do petróleo caíram ao menor valor em 11 anos, as ações preferenciais (com prioridade na distribuição de dividendos) da Petrobras perderam mais de 4% e fecharam a R$ 6,40 – o menor valor desde agosto de 2004, segundo a Economatica. As ações ordinárias também recuaram mais de 4%, a R$ 8,06.
Nesta quinta-feira (7), as perdas da estatal se repetem. Por volta das 14h15, Petrobras operava em queda nas preferenciais e ordinárias (com direito a voto), na esteira do forte declínio dos preços do petróleo, que fecharam abaixo de US$ 35 na véspera. Mais cedo, as ações recuavam cerca de 4%.
Petrobras no ano (Foto: REPRODUÇÃO/G1)Ações da Petrobras no último ano (Foto: REPRODUÇÃO/BM&FBovespa)
Um forte e inesperado aumento nos estoques de gasolina dos Estados Unidos reforçou o cenário negativo de excesso de oferta no mercado. Além disso, o anúncio de um teste de bomba de hidrogênio pela Coreia do Norte, aliadas a crescentes preocupações sobre a desaceleração da economia da China, impactaram o mercado.
Em dezembro do ano passado, a Opep não chegou a um acordo para reduzir a produção de petróleo, aumentando as preocupações diante do excesso de oferta. Fiel à posição adotada um ano antes, o cartel não somente decidiu manter seus atuais níveis de produção, como também não fixou uma meta precisa de produção.
Com a queda do Petróleo, a Petrobras sofre com a redução nas receitas de exploração e produção, agravando ainda mais a situação econômica da companhia, que enfrenta alto endividamento.
A queda do preço do petróleo no mercado internacional também diminui a rentabilidade dos projetos de exploração no pré-sal, que foram planejados levando em conta um preço mínimo do barril ao redor de US$ 45 para a produção poder ser considerada economicamente viável.

A notícia de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) apontou indícios de que o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, participou de suposto esquema ilícito de compra de debêntures da OAS, segundo o "Estado de S. Paulo", também repercutia nas ações hoje.

Desaceleração da China contagia Vale
Na véspera, as ações preferenciais da Vale recuaram mais de 7% e fecharam a R$ 9,10, no menor valor desde junho de 2005, de acordo com a Economática. A preocupação com um crescimento menor da China tem afetado diretamente os papéis da empresa.
Ao crescer menos, a China passa a importar menos minério de ferro do Brasil e de outros países, já que precisa de menos insumos para a produção industrial. A commodity é o principal produto de exportação da Vale e o mercado chinês, seu maior comprador. A queda na demanda pelo minério de ferro no mundo faz seus preços caíram, afetando as ações da mineradora.
Nesta quinta, os papéis da empresa seguiam com perdas, depois que as negociações nas bolsas chinesas foram suspensas pela segunda vez na semana, ao caírem mais de 7%. A Vale perdia cerca de 4% nas preferenciais e 3,6% nas ordinárias, em meio às preocupações com a China.
Analistas do UBS cortaram o preço-alvo do ADR (recibo de ação negociado nos EUA) da mineradora de US$ 5,30 para US$ 3,40, mantendo recomendação "neutra", e citaram que nos atuais preços de commodities, o Ebitda da Vale estimado para 2016 pode não cobrir os compromissos de caixa de US$ 4 bilhões. A estimativa do Ebitda dá uma ideia do fluxo de caixa da companhia.

02 dezembro 2015

Estudantes bloqueiam vias na Zona Oeste de SP durante manifestação

Ato foi no cruzamento da Henrique Schaumann com Teodoro Sampaio.
Manifestação começou às 17h10 e terminou às 18h50 desta quarta-feira.


Uma manifestação de estudantes bloqueou totalmente, no início da noite desta quarta-feira (2), o sentido Sumaré do cruzamento das ruas Henrique Schaumann com Teodoro Sampaio, na Zona Oeste de São Paulo, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). O bloqueio começou às 17h10 e o cruzamento foi liberado às 18h50. Os alunos protestaram contra a reestruturação da rede estadual de ensino.

Mais cedo, na manhã desta quarta-feira (2), quatro estudantes, dois deles menores e dois maiores de 18 anos, foram detidos durante outro ato contra a reorganização. O protesto foi na Avenida Doutor Arnaldo, próximo da Avenida Paulista. Antes, 20 alunos fizeram um ato na Avenida Giovanni Gronchi, na Zona Sul de São Paulo.
As quatro pessoas detidas na Avenida Doutor Arnaldo foram levadas para o 23º Distrito Policial, em Perdizes. Elas assinaram um termo circunstanciado e foram liberadas no fim da tarde.

Tumulto
A confusão começou quando policiais militares retiraram cadeiras utilizadas pelos estudantes para fechar o sentido Sumaré da Avenida Doutor Arnaldo. A via é considerada uma das mais importantes da cidade, pois liga a Zona Oeste à Avenida Paulista e fica na região do Hospital das Clínicas. Às 9h, o tráfego para os carros foi liberado.
O estudante Francisco Musatti Braga, de 16 anos, foi um dos quatro estudantes detidos - dois maiores e dois menores de 18 anos. "Me levaram à força, me algemaram, me botaram no camburão e tentaram usar bastante da violência", disse ele.
A ação dos policiais segue orientação dada pela Secretaria da Segurança Pública (SSP). Ementrevista exclusiva ao G1 na terça, o secretário da Segurança, Alexandre de Moraes, disse que a Polícia Militar (PM) vai intervir sempre que for preciso para impedir que alunos bloqueiem as principais vias de São Paulo.
“Para resumir, bem resumido, a função da Secretaria da Segurança Pública e da polícia nesses acontecimentos é garantir que não haja dano ao patrimônio público. E não haja confusão, não haja briga entre quem queira assistir aula e quem não queira", disse Moraes. "E também nós não vamos permitir que fiquem agora obstruindo as vias principais de São Paulo."
Nove de Julho
A polícia liberou, na madrugada desta quarta-feira (2), os quatro detidos após manifestação de estudantes na Avenida Nove de Julho, próximo ao Viaduto Júlio de Mesquita Filho, no Centro de São Paulo. Na noite de terça, os alunos protestaram contra a reorganização da rede de ensino estadual e usaram cadeiras para bloquear os dois sentidos da via por mais de duas horas e meia. O ato terminou em confusão.
Às 21h, os policiais negociaram com os estudantes na tentativa de liberar a avenida. Não houve acordo e os PMs marcharam em direção aos cerca de 250 estudantes batendo com os cassetetes nos escudos.
Os policiais dispararam bombas de efeito moral contra o grupo de alunos. Houve correria. Sacos de lixo e outros objetos foram espalhados pelo asfalto. A confusão prejudicou o trânsito de ônibus, que ficaram parados no corredor da avenida em meio ao tumulto. Um dos veículos teve o vidro quebrado.
Um casal maior de idade e dois adolescentes de 15 e 17 anos foram levados para uma delegacia da região. Eles prestaram depoimento e, por volta das 3h desta quarta, foram liberados. O casal disse que não participava do ato.
Moradores da Nove de Julho, eles filmavam o protesto quando foram abordados pelos policiais. "Me jogaram no chão, começaram a me rasgar e me levaram para o camburão", disse a roteirista Tatiana Tavares. "Eu entendo que eles tenham que fazer o trabalho deles, mas eu acho que não é dessa forma truculenta, jogando a gente no camburão.”
Os dois menores saíram da delegacia acompanhados pelos pais. Eles disseram que foram abordados por policiais militares enquanto protestavam. “Eles bateram com o cassetete no meu braço, aí eu caí no chão e eles me arrastaram. Na hora que eu levantei para poder levarem para o camburão, colocaram o cassetete no meu pescoço e começaram a enforcar e levar”, disse um dos adolescentes.
Sobre a conduta dos policiais no fim do protesto, a Secretaria da Segurança Pública disse que a PM só agiu para evitar danos ao patrimônio público.
Intervenção policial na Marginal
Um outro protesto de estudantes fechou a pista local da Marginal Tietê, na altura da Ponte do Piqueri, na manhã desta terça-feira (1º) em São Paulo. A manifestação foi feita por alunos da Escola Estadual Professor Silvio Xavier Antunes, na Zona Norte da capital, ocupada contra a reorganização de ensino proposta pelo governo paulista.
O colégio vai fechar e vai ser disponibilizado para uso Centro Paula Souza ou fins educacionais da Prefeitura. Os manifestantes caminharam até a Marginal Tietê, carregando cadeiras usadas nas salas de aula e que foram usadas para fechar as pistas no sentido Ayrton Senna.
A Polícia Militar acompanhava a passeata e interveio quando houve o bloqueio sob a ponte, retirando os estudantes. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública disse que a corporação tentava "evitar o confronto entre motoristas que avançaram contra os manifestantes que bloqueavam a via".
Segundo a pasta, a PM usou uma bomba de efeito moral para dispersar a confusão. "Houve a necessidade de uso de força moderada para remover um adolescente que se recusava a deixar o local, mas que estava sendo ameaçado de agressão".
Bloqueio
A manifestação começou às 9h20 com ocupação de duas da direita da pista local da Marginal Tietê e terminou por volta das 11h10, com a liberação total da via. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a maior lentidão durante o protesto foi registrada no sentido Ayrton Senna, com 12,4 km de congestionamento nas pistas local, expressa e central.
Um outro grupo de alunos fez um protesto na manhã desta terça-feira na Avenida João Dias, na Zona Sul de São Paulo. Eles usam faixas e instrumento musical para protestar contra a reorganização escolar da rede de ensino paulista. Os manifestantes usavam mesas e cadeiras que representavam uma sala de aula durante o protesto.
Ocupações em escolas
Cerca de 190 escolas estavam ocupadas por alunos e manifestantes contrários à reestruturação do ensino estadual de São Paulo. O balanço foi divulgado nesta terça-feira pela Secretaria de Estado da Educação. O número é inferior ao apurado pelo Sindicato dos Professores (Apeoesp), que contabiliza 208 unidades paradas.
Nesta terça, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), publicou um decreto que autoriza a transferência de funcionários da Secretaria da Educação de uma escola para outra dentro do programa de reestruturação da rede estadual de ensino. A reorganização é motivo de protestos desde o dia 9 de novembro.
De acordo com o decreto, publicado no Diário Oficial do estado, a transferência vale para "casos em que as escolas da rede estadual deixarem de atender um ou mais segmentos, ou, quando passarem a atender novos segmentos".
Isso porque a reorganização da rede tem como um dos objetivos organizar as escolas por ciclos, segundo o governo de São Paulo, tentando concentrar alunos de uma mesma faixa etária nas escolas.
O decreto do governador Geraldo Alckmin não especifica o número de professores e funcionários de apoio que deverão ser transferidos. A Secretaria da Educação divulgou no início de novembro que 94 escolas seriam fechadas no processo de reestruturação.